Tenho Interesse

Alugar ou financiar um imóvel: Qual é o mais vantajoso?

Ter a casa própria é um sonho dos brasileiros e, sem dúvida, um dos principais desejos no Brasil. Com isso, alugar um imóvel até conseguir reunir condições para comprar um no próprio nome parece uma lógica bastante simples e óbvia, não é?

No entanto, ao começar a procurar um imóvel e entender as condições de pagamento, logo surge uma dúvida: é melhor alugar e juntar dinheiro para comprar à vista ou financiar um imóvel?

Especialistas costumam afirmar que não existe apenas um único caminho, e que cada realidade deve ser avaliada individualmente. Se você também está se fazendo essa pergunta e ainda não encontrou a resposta, esse artigo vai ajudar a ampliar o seu conhecimento, para que descubra qual a melhor via para concretizar o seu sonho.

Financiamento x Aluguel

Antes de fazermos o comparativo, precisamos conhecer intimamente cada uma das opções. Atualmente, os juros do financiamento imobiliário são considerados altos. Embora se possa encontrar patamares menores, alguns encargos podem chegar a 11% a.a + Taxa Referencial (TR).

Porém, é importante estar atento a um detalhe. Geralmente, ao financiar um imóvel, os compradores costumam fazer contratos longos, de 20 a 30 anos em média. Com isso, as taxas, que são anuais, podem pesar bastante no valor total do financiamento. Isso faz com que algumas pessoas comecem a avaliar a manutenção do aluguel até terem recursos para comprar um imóvel à vista.

Um atrativo para o aluguel é que, geralmente, ele sai mais barato mensalmente do que as prestações do financiamento. E é aí que passamos a ter a necessidade de avaliar a situação como investidores.

LEIA TAMBÉM: Pandemia: Devo esperar para comprar um imóvel?

Considerando a elevada taxa de 11% a.a. + TR, um imóvel que custa R$ 400 mil teria uma parcela média de aproximadamente R$ 2.300 no financiamento. 

No caso do aluguel, tomando por base o mesmo valor de imóvel e uma porcentagem de 0,3% do valor total dessa residência, a mensalidade seria de R$ 1.200. 

Sendo assim, basta um subtração básica para que você descubra que pagaria R$ 1.100 mais barato no aluguel do que no financiamento.

Entretanto, essa conta não é suficiente para saber qual opção é mais vantajosa. Afinal, é preciso que você consiga juntar a quantia de forma mais rápida e barata em relação ao financiamento. 

Vale ressaltar também que utilizamos uma taxa alta de financiamento e você pode encontrar taxas menores no mercado. Além disso, os valores dos aluguéis variam a depender da cidade que esteja buscando o imóvel.

Nesse cenário, para conseguir tornar o aluguel mais vantajoso, você precisaria juntar o valor de R$ 1.100 e aplicá-lo mensalmente em um investimento que lhe permita ter um retorno de 0,7% a.m. (uma taxa conservadora). Dessa forma, você poderia alcançar os R$ 400 mil em aproximadamente 15 anos e 3 meses.

Prefere financiar o seu imóvel? Confira essas dicas!

Talvez no seu caso, seja mais vantajoso financiar o imóvel do que alugar e fazer uma economia. Seja por questões financeiras ou simplesmente pela tranquilidade de viver em um imóvel no qual você tem mais liberdade para modificá-lo. Se esse é o seu caso, vamos às dicas que farão você economizar!

1. Maior entrada possível

Segundo as recomendações dos especialistas, busque dar o maior valor possível na entrada. A recomendação é que esse valor seja de, pelo menos, 50% do valor do imóvel. Isso fará com que reduza a quantidade de parcelas que você terá que pagar. Consequentemente, reduzirão também os juros do financiamento e o custo total do imóvel.

2. Compare os financiamentos

Existem muitos financiamentos no mercado com gigantescas diferenças nas taxas de juros. Confira também se você está apto a participar do programa federal Minha Casa, Minha Vida, que oferece condições de financiamentos e taxas de juros vantajosas. O programa contempla famílias com renda mensal de até R$ 7.000.

LEIA TAMBÉM: Descubra quais são os cuidados que você deve ter antes de comprar um imóvel

3. Calcule o impacto na renda familiar

Parece óbvio, mas na ansiedade de fechar o contrato do financiamento, muitas pessoas não se preocupam em comparar as taxas de juros de cada proposta, nem o valor total do contrato que irão assinar.

Certifique-se de conferir, não apenas o valor da parcela, mas também o custo total do empréstimo. Se você notar que o valor final ficou muito alto, tente reduzir o tempo de contrato dentro da margem que lhe permita pagar as prestações. Lembre-se que, quanto mais longo é o financiamento, mais caro ele ficará.

Gostou das nossas dicas? Continue acompanhando o nosso blog para receber mais informações sobre mudanças, mercado imobiliário e sobre a cidade de Araraquara (SP).

Open chat