Tenho Interesse

4 dúvidas frequentes sobre financiamento imobiliário

Confira as respostas para algumas dúvidas frequentes sobre financiamento imobiliário

Na hora de realizar o sonho da casa própria, o financiamento imobiliário costuma ser a forma mais fácil de concretizar a compra do imóvel desejado. Ele pode ser feito direto com a construtora ou por meio de um banco.

Quem pretende financiar uma casa ou apartamento possui diversas dúvidas sobre esse processo. No entanto, diferentemente da crença popular, não é tão difícil e complexo.

Para te ajudar a entender como funciona esse processo e as questões envolvendo juros, valor das parcelas e sistema de amortizações, preparamos este artigo. Acompanhe a leitura!

É possível conseguir uma aprovação de crédito antes de comprar o imóvel?

Não só é possível, mas também é o recomendado. Solicite a pré-aprovação do crédito imobiliário antes mesmo da escolha do imóvel. Você não precisa ter escolhido um imóvel para que consiga um financiamento bancário.

A solicitação prévia do financiamento, logo no início da busca pelo imóvel dos seus sonhos, permitirá que você organize o seu planejamento financeiro de forma mais precisa. Assim, poderá ter mais clareza sobre o imóvel mais adequado ao valor concedido pela seu banco.

A aprovação do crédito pode demorar até 30 dias. Para a liberação do dinheiro, a instituição tem até 180 dias. No caso de financiamento direto com a construtora, o crédito é liberado imediatamente.

Qual sistema de amortização devo escolher?

Entre os sistemas de amortização, os mais utilizados são o  Sistema de Amortização Constante (SAC) e a Tabela Price. A melhor opção, no entanto, varia de acordo com o perfil do contratante. Em cada um dos sistemas, existem vantagens e desvantagens que devem ser avaliadas.

No sistema Price (também chamado Sistema Francês de Amortização), as parcelas são fixas. Nessa tabela, a maior parte da primeira prestação é formada pelos juros do financiamento. Ao longo do pagamento das parcelas, os juros vão diminuindo e a amortização da dívida vai aumentando. No entanto, o valor da parcela é sempre o mesmo até o final do contrato.

Já no Sistema de Amortização Constante (SAC),  a amortização do financiamento é mantida até o final do empréstimo, mas o valor que você terá que pagar em juros vai caindo ao longo do contrato. Isso faz com que a prestação também diminua ao longo do tempo.

Segundo os especialistas, o SAC é o mais recomendado, pois gera um valor total menor de financiamento. Entretanto, ele nem sempre é acessível a todos os compradores. Isso porque os bancos não costumam conceder um financiamento cuja parcela seja superior a 30% da renda familiar do cliente. Dessa forma, a Tabela Price, que possui parcelas menores, às vezes é a única opção para o comprador com menor renda.

Como posso utilizar o FGTS durante o financiamento?

Uma das opções para a utilização do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é para quitar o saldo devedor, seja de forma parcial ou total, ou até mesmo as parcelas atrasadas. Porém, não será possível retirar os juros do financiamento que estavam definidos no contrato. Nesse caso, você antecipa ou quita o montante principal da dívida, acrescido dos juros do financiamento mais os encargos contratuais.

A outra alternativa é diminuir o valor das próximas 12 prestações. Nesse caso, é possível quitar até 80% das 12 próximas parcelas ou das que já venceram. Entretanto, a pessoa não pode ter mais do que três prestações atrasadas.

Caso você escolha a segunda alternativa, o valor do fundo é dividido em 12 vezes e o resultado corresponde ao valor que poderá ser reduzido de cada parcela, até 80% do montante total. Contudo, a amortização só pode ser feita a cada dois anos.

Quais são as taxas e impostos que precisarei pagar na hora de comprar um imóvel financiado?

O ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis) é cobrado pela prefeitura local. Dessa forma, o valor pode variar de acordo com a sua cidade. Além disso, é necessário ficar atento também às taxas cartoriais, pagas no momento do registro, e às cobradas pelas instituições financeiras durante a abertura de crédito, avaliação do bem e manutenção do contrato.

Gostou das nossas dicas? Continue acompanhando o nosso blog para receber mais informações sobre o mercado imobiliário e sobre a cidade de Araraquara (SP).

Open chat